sábado, 23 de outubro de 2010

Apresentação

Escrevi este texto com o intuito de descrever a forma de apresentação do trabalho que desenvolvi. O que faço de seguida:
            Levo uma caixa nas mãos que pouso na secretária. Nos bolsos tenho três chaves e coloco-as, uma a uma, na carteira da frente. Todas as chaves estão etiquetadas, a chave do desespero é a maior e a mais pesada, a chave do receio é a média e tem um peso moderado e a chave da confiança é a mais pequena e leve.
            A caixa referida está trancada com um cadeado primitivo indiano, o meu objectivo é demonstrar que para combater o medo é preciso usar a chave certa. Como é óbvio todas as chaves vão falhar à excepção da chave da confiança que é a resolução para todos os meus problemas relacionados com o medo.
            Assim, eu abro a caixa e enfrento o meu medo, para findar a apresentação abandono as chaves rejeitadas e guardo a confiança junto ao coração. 

video


O simbolismo da apresentação

Chave do desespero: é a maior e a mais pesada porque é um sentimento que quando ligado ao medo causa muitos estragos, tanto a nível físico como mental, logo não pode ser usada para combater o medo (daí ser uma chave absurdamente grande para caber no cadeado).

Chave do receio: é uma chave média em tudo, no peso e no tamanho, uma vez que está directamente relacionada com o medo, logo não pode ser usada para abrir a caixa.

Chave da confiança: é a chave mais leve e indicada para abrir a caixa e enfrentar os nossos medos, é a resolução para todos os meus problemas e receios.

Caixa: a misteriosa caixa representa o medo sobre estado de pressão, o seu interior só é revelado após ser aberta com a chave correcta.

Construção da caixa: 



dobradiças e trinco da caixa



 Construção da cobra:


mola (cuja funcionalidade é fazer com que a cobra salte da caixa)

corpo da cobra, em tricot


cobra concluída







Cadeado indiano: é muito primitivo e fraco, ele simboliza a fragilidade do cadeado com que trancamos o nosso medo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário